Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES

Home
Home

Autor do Site
Autor del Sitio

Crônicas
Crónicas

Contos e Poemas
Cuentos y poemas

Artigos
Artículos

Escritores e Artistas
Escritores y Artistas

Índice
Índice

Links
Links

Contato
Contacto

Correio dos Leitores
Correo de los Lectores

Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES
Contos e Poemas
Cuentos y Poemas
Ela - Guillermo Piernes

11/03/2021 00:00




­Ela 

Por Guillermo Piernes **

"Minha vizinha é linda e jovem e eu estou certa que você ficará encantado", a divertida amiga disse a Thiago. 

Também comentou que essa garota ficaria deslumbrada com seus livros de arte, com a boa pinta do quarentão com histórias, o corpo de tenista em atividade, profissional bem sucedido.

- Por que não?

A amiga levou-a na casa dele comentando da biblioteca e da piscina rodeada por palmeiras imperiais, na cálida noite de céu sem nuvens de Goiânia.

Foi como um raio. Thiago a viu e sentiu que faltava ar nos seus pulmões. Dezoito anos, olhos castanhos azulados  e inquietos, cabelo longo também castanho e solto. De estatura media, silueta fina realçada pela calça azul e a blusa de tênue amarelo com sandálias de salto médio. Ela ainda insegura da sua beleza. Ele extasiado.

Com timidez, a jovem aceitou um drinque depois de muita insistência. A primeira e última bebida com álcool tinha sido na formatura do ginásio, dois anos antes.

A amiga saiu logo do cenário e rumou para a cozinha. A desculpa foi a de aprender uma receita com a cozinheira que aparecia cada três dias na casa do Thiago e deixava tudo resolvido.

Em palavras trocaram trocado o social básico, algumas ideias sobre pintura, literatura e a universidade,que ela começava a cursar. - "Quero que você conheça minha biblioteca", ele disse após os drinques e introduzi-la a alguns clássicos do jazz.

- O que estou fazendo?, perguntou-se. Não quis buscar a resposta no seu cerebro. Quem mandava nesse momento era uma outra força poderosa.

Ele tomou a sua mão para subir a escada de madeira. Ela achou isso muito gentil. Ele viu nesse gesto uma necessidade. Precisava pegar a delicada mão feminina porque se sentia sem equilíbrio e sabia que não era pelo efeito da única dose de uísque. 

Não mostrou a biblioteca. Antes de chegar aos estantes a beijou com ardor. Seus lábios pareciam transmitir que a tinha beijado desde sempre. Ela ficou indefesa, paralisada. Deixou-se beijar.

Ele deitou-a na alfombra do centro da biblioteca. Tirou a blusa e a calça com delicadeza. O resto foi arrancado com uma determinação que seria difícil de resistir.

Thiago explorou com sua boca cada centímetro da pele branca, suave, cheirosa. Escutou o jovem coração disparar quando passeou nos seus seios. Percebeu uma minúscula cicatriz perto do púbis empapado de desejo e voltou a beija-la na boca. 

Ela colocou a sua mão pequena no forte peito masculino para que os seus olhos se encontrassem direta e profundamente. Nesse instante caiu toda resistência.

Demorou muito até que os corações recuperassem os batimentos regulares.

Kelly - era o seu nome - olhou com firmeza esse quase estranho. Mirou intrigada esse homem que tinha encontrado havia tão pouco tempo e com quem acabava de fazer muito mais que um sexo explosivo e gratificante. Havia feito amor em toda a sua dimensão. Fascinada porque havia sentido como nunca antes, seus olhos espelhavam prazer e assombro.

Os olhos dele estavam nublados de lagrimas. Era certeza. Havia topado com a paixão da sua vida.

** Guillermo Piernes - Escritor e jornalista
Pintura La Ninfa Dormida  - Chassériau - Século XIX


[ VOLTAR ]
Textos protegidos por Copyright - Guillermo Piernes 2021