Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES

Home
Home

Autor do Site
Autor del Sitio

Crônicas
Crónicas

Contos e Poemas
Cuentos y poemas

Artigos
Artículos

Escritores e Artistas
Escritores y Artistas

Índice
Índice

Links
Links

Contato
Contacto

Correio dos Leitores
Correo de los Lectores

Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES
Crônicas
Crónicas
A condecoração que me deu Severo - Guillermo Piernes

05/10/2021 00:00




A condecoração que Severo me deu 

Por Guillermo Piernes *

­Nenhuma condecoração deixou meu peito mais vibrante do que a última mensagem de aniversário que me enviou José Antônio Severo, o amigo-irmão que partiu e sei estará presente nas minhas melhores lembranças, até o meu último dia.
" Hoje é o aniversário de meu amigo Guillermo Piernes. Deveria escrever este abraço em espanhol, pois foi ele que me ensinou a escrever na língua de Cervantes, lá no primeiro ano da década de 1970, quando nos conhecemos na redação da Agência Reuter, na cantada avenida Corrientes, em Buenos Aires.
Nós dois, jovens jornalistas. Ali nasceu uma amizade que virou fraternidade, pois somos verdadeiros irmãos inseparáveis. Quando cheguei na cidade dele, era um jovem provinciano brasileiro, nascido na região da Campanha Gaúcha (fronteira uruguaia), com passagem pelas ainda provincianas Porto Alegre e São Paulo. Fui civilizado por Guillermo, que me introduziu no mundo da cosmopolita Buenos Aires, desde sempre a Paris da América do Sul.

Ele era um jovem brilhante naquela cidade: filho de Justo Piernes, o principal repórter do jornal Clarin e secretário geral do Sindicato dos Jornalistas, sobrinho de Salvador, o último bailarín dos grandes tempos, dono de uma pizzaria que reunia, no fim de noite, todas as expressões históricas do velho tango. Ali se podia ouvir canjas de estátuas vidas como Aníbal Troilo (o Picucho), Julio Rivero, virtuoses como Airton Baffa ( rival de Astor Piazzola, também frequentador do santuário), a diva Adriana Varella (ainda uma menina prodígio).

Guillermo era o pibe, com seu Citroen 2CV (chamado pelos portenhos de citroneta), entre dois gigantes, Justo o jornalista mais moderno do país, e o tio Salvador, que já na terceira idade ostentava o galardão de nunca ter trabalhado (formalmente, fique claro). Um modelo do malandro portenho. Pois bem: esse portenho puro veio para o Brasil e se converteu num carioca da gema, sem, contudo, perder a elegância e o savoir-faire do portenho legitimo.
Se há um exemplo de integração, de cidadão sul-americano, esse é Guillermo Piernes. Desde aquela abancada da Reuter, até hoje sempre estivemos no mesmo barco, embora, por vezes, um cá outro lá.

Guillermo (bacharel em jornalismo em Buenos Aires), pos graduou-se nos Estados Unidos, trabalhou como jornalista da Latin-Reuters nas Nações Unidas, em Nova York, e Washington antes de viver no Rio de Janeiro como correspondente da agência. Foi a Brasília como correspondente da UPI. Voltou à América do Norte, como Diretor de Informação da Organização dos Estados Americanos (OEA), na gestão do secretário geral Baena Soares.

Quando a coisa pegou feio na Argentina, proibido de volta a seu país, Guillermo, já como exilado, ingressou na imprensa brasileira, na sucursal do Rio de Janeiro da Gazeta Mercantil.

Depois foi o primeiro chefe da redação em língua espanhola do semanário Gazeta Mercantil Latino-Americana, editor-sênior da mesma em Brasília e, por fim, colunista do jornal diário até sua extinção na primeira década dos anos 2000, consagrando-se como especialista em golfe, algo bem apropriado aquele jornal, assumindo a liderança no Brasil da cobertura desse esporte, o que mantém até hoje com portal próprio (intitulado hoje Golfe Empresas) e participação no segmento como figura emblemática.

Recentemente lançou um outro site, que leva seu nome, sempre no sentido da integração. Entretanto, preste-se atenção: o que escrevi é uma pequena parte do que fez esse rapaz. Dê uma olhada no Google para ver tudo. É um arraso. Além disso, não deixo de citar seus quatro filhos, três lindas moças e o jovem instrumentista Gabriel, já com projeção internacional. Viva Guillermo Piernes, felicidades, saúde, longa vida e parabéns pelo aniversário!.
Severo onde você estiver: Grato mais uma vez pela tua generosidade. Eternamente grato por ter injetado emoção e sabedoria aos meus dias, profundamente grato pelo meio século de fraterna amizade... Até a palavra saudade fica pequena, ou como você dizia perante os fatos inevitáveis da nossa existência...Pois é...
* Guillermo Piernes: Jornalista e escritor
Imagem: Céu - UFMG 





[ VOLTAR ]
Textos protegidos por Copyright - Guillermo Piernes 2021