Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES

Home
Home

Autor do Site
Autor del Sitio

Crônicas
Crónicas

Contos
Cuentos

Artigos
Artículos

Poemas
Poemas

Escritores e Artistas
Escritores y Artistas

Índice
Índice

Links
Links

Correio dos Leitores
Correo de los Lectores

Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES
Crônicas
Crónicas
A fabulosa chapelaria britânica - José Fonseca Filho

28/06/2022 00:00




­A fabulosa chapelaria britânica
Por José Fonseca Filho ** 
As mulheres de cada povo, de origens diversas, tem suas características próprias de vestuários, adornos, penteados, geralmente admiradas pelos maridos ou companheiros, e pela sociedade a que pertencem. No mundo árabe, as mulheres se destacam pelos turbantes, o longo burka cobrindo-lhes todo o corpo e o rosto. À vista de todos, só os olhos. As japonesas antes gostavam de quimonos de seda. Hoje, mais ocidentalizadas. Geralmente as indumentárias são adequadas aos rigores do clima. Ou implicações culturais.
Cada sociedade segue suas inclinações e se considera satisfeita. O vestuário sofisticado e seus adereços são detalhes importantes, mas nem por todas as mulheres são utilizados, embora a maioria capriche no que supõe ser belo e atraente. Sem perder a tradição de ser chique, como ressaltam as francesas.
As mulheres de outros povos se destacam pelas suas particularidades, sempre sob o princípio de se embelezar para agradar. E, em seguida, conquistar. De forma chamativa, singular, praticamente única em suas características e dimensões.
O império britânico jamais se poria no horizonte, era a secular crença. Poderia apenas sofrer um pequeno abalo, contornável. Assim, o poderio britânico se espalhou pelo mundo e avançou, chegando à estabilização total, com suas inovações. Hoje a realeza britânica é uma das raridades do mundo, admirada por suas solenidades, grandezas, hábitos, vestuários, luxo, riqueza. E uma política de boa vizinhança.
Destaca-se neste fabuloso conjunto de raridades a paixão das ladies britânicas por chapéus absolutamente singulares. E até, convenhamos, um tanto esquisitos. Exclusividades mantidas em reserva até a primeira aparição pública com a família real. Nem tão pública, porque serão apreciados apenas pelos nobres da corte.
A paixão das ladies britânicas pelos chapéus de luxo e bom tamanho é única no mundo. Nada poderia ser tão criativo e peculiar, um trabalho que jamais admitiriam fosse, de alguma forma, divulgado antecipadamente. Um segredo quase de Estado. Comentários auspiciosos ou não continuarão a surgir em algumas áreas londrinas.
A rainha Elizabeth, a mais longeva da humanidade, é amada pelos ingleses, e vice versa. Está sempre bem disposta, apesar da idade, classicamente vestida em cores alegres. Jamais, todavia, sem o indefectível chapéu cheio de flores, perfumes, formas geométricas, jóias e outras atrações. Breve deverão colocar um pisca-pisca indicando a direção da rainha no interior do palácio, com tantos enfeites na enorme aba do chapéu.
Festas e solenidades na corte de St. James proporcionam a exposição da beleza e o desfile dos incríveis chapéus femininos ingleses, de insuperável engenharia de sustentação e estética. Algo incrível. Os cavalheiros admiram os chapéus de suas damas e, principalmente, gostam de exibi-los (las). Casos de perda de adereços e jóias basta contactar a Scotland Yard para reaver.
São os chapéus alegóricos das ladies, com os formatos mais estranhos e criativos que se poderia imaginar. As cabeças que os portavam, tinham que estar igualmente bem penteadas, assim como corretamente maquiadas, para manutenção da singeleza do conjunto estético.
Nas nobres recepções do palácio de Buckingham há redução do espaço disponível para os convidados, gentlemen e ladies. Os chapéus são femininos, grandes na circunferência e podem comprometer a circulação no salão.
A origem dos chapelões das ladies é desconhecida, mas há certa coincidência com os escândalosos chapéus dos Três Mosqueteiros, em seus primeiros modelos. Uma versão indica que para atender as ladies e seus chapéus, algumas alas do palácio são isoladas para eventuais consertos.
A criatividade das artesãs dos chapéus das ladies é extraordinária. Tem com aba larga, sem aba, com florezinhas penduradas, com fita dourada, fios de prata e outras variedades diversas. Os tamanhos podem ser considerados exagerados, em alguns casos. Mas todos os examinaram. O de abas retas com um círculo duplo de pérolas ao redor agrada bastante.
Quem mais trabalha nessas recepções, além dos garçons, são os fotógrafos e cinegrafistas. Há que focar todos os ângulos de cada detalhe de um dos chapéus, e assim provar que houve arte na confecção das peças.
Após a recepção, com vasta exibição de modelos nas cabeças coroadas, nenhum deles é repetitivo, o casal de convidados volta exultante ao castelo da família, a bordo do mesmo Rolls Royce no qual chegaram.
O marido sentou- se no banco da frente para que a esposa e o seu maravilhoso chapéu ficassem bem acomodados no espaçoso banco traseiro. Ficou no registro oficial de patentes do Reino Unido : ? By Appointment to her Majesty, The Queen.?
** José Fonseca Filho é jornalista
** Crédito imagem - Getty Images



[ VOLTAR ]
Textos protegidos por Copyright - Guillermo Piernes 2022