Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES

Home
Home

Autor do Site
Autor del Sitio

Crônicas
Crónicas

Contos e Poemas
Cuentos y poemas

Artigos
Artículos

Escritores e Artistas
Escritores y Artistas

Índice
Índice

Links
Links

Contato
Contacto

Correio dos Leitores
Correo de los Lectores

Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES
Crônicas
Crónicas
Brasília sem demagogia - Guillermo Piernes

15/07/2020




Brasília sem demagogia 
-
Por Guillermo Piernes **

O Lago Paranoá fedia nos dias quentes de 1986. E isso somente parou quando foi deslanchada uma operação sem demagogia nem barulho para despoluir as águas da capital da República.

Deveria ser regra a luta pelo bem comum por parte de todos os administradores públicos. Lamentávelmente é exceção. Uma dessas exceções salvou as águas do Lago Paranoá em Brasília.

José Aparecido de Oliveira era o governador de Brasília, escolhido pelo presidente José Sarney, num tempo em que ainda se pensava nesse cargo como um poderoso mordomo para que funcionasse bem a sede do Governo Federal. Não existia a Câmara Legislativa do DF nem eleições para governador.

Algas proliferavam ocupando boa parte do espelho d´agua, que foi criado para composição paisagística, lazer, melhoria no micro clima da região e a geração de energia elétrica. A decomposição das algas tornava impossível ficar perto das margens nos dias de alta temperatura.

O lago de Brasília se encaminhava para ser mais um desastre ambiental.

Após um jantar no Palácio de Itamaraty para recepcionar um presidente estrangeiro, Aparecido me pegou pelo braço e disse para aparecer no dia seguinte no seu gabinete.  Nesse tempo eu era o Diretor da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Brasil, que então tinha 55 projetos técnicos de cooperação e desenvolvimento no país e contava com o BID como agente financiador de vários deles. 

- O estado do Paranoá é uma vergonha, todos reclamam e não tenho recursos para fazer muita coisa, lamentou o governador nascido em Minas Gerais, que me instou imperativamente para buscar soluções para despoluir o lago.

Na lista da OEA, figurava um apoio com modesta quantia de dólares ao ano para um projeto de limnologia (do grego limne, lago e logos, estudo), desenvolvido pela USP em São Carlos (SP) a cargo do professor José Galizia Tundisi.

Fui nessa mesma semana a São Carlos, onde Tundisi me recebeu calorosamente e deu uma luz a minha total ignorância sobre a situação de vários lagos do mundo e do Brasil. Ao fim da explicação, joguei duro:

- Professor, o lago mais importante de todos é o Lago Paranoá e o senhor tem que resolver.

Tundisi sabia muito sobre o lago Paranoá e me explicou que era uma poluição simples, sem metais pesados, porque os detritos da cidade eram despejados no lago sem tratamento e, com excesso de nutrientes, aumentava o fósforo e nitrato nas águas.

O projetado anel sanitário captando esgoto e evitando o despejo no lago não tinha sido construído na pressa por entregar Brasília rápido no tempo de JK.

O professor viajou a Brasília aonde se encontrou com os especialistas da CAESB (Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal); Já se conheciam e respeitavam-se.  

Em poucas semanas preparou-se um projeto que afinava os padrões técnicos de monitoramento e com soluções. Por exemplo, usinas de tratamento de esgoto nas partes Norte e Sul do lago para reverter a eutrofização. 

Com o projeto já na mão, José Aparecido me disse que precisava de mais um favor: Que eu falasse sobre o Paranoá com os senadores e deputados que integravam uma comissão que acompanhava os assuntos do DF. Aparecido dizia que a maioria era contra todo que ele propunha. 

Respondi que, como representante de um organismo internacional, não podia me intrometer tanto.

O governador então chamou seu assessor de imprensa. Organizou-se uma entrevista na qual expliquei que tinha apresentado ao Governador ideias de renomados técnicos para despoluir o Paranoá.  Alentado por Aparecido, externei a incongruência de tentar convencer outros países da alta tecnologia dos aviões brasileiros quando o país sequer conseguia despoluir o único lago artificial da sua nova capital. 

O press release do governo do DF com minhas declarações espontâneas ou não (esqueci quem era o competente assessor de imprensa lapso pelo qual peço desculpas) foi enviado a cada um dos membros da comissão parlamentar. Os parlamentares preferiram bater em Aparecido por outros temas sem atrapalhar o projeto de despoluição. 

O governo se mexeu rápido e sem alarde. Apresentou projeto completo e pedido de financiamento para o BID, que acabou liberando um total em torno de U$100 milhões para a despoluição e construção das usinas de tratamento do lago de 48 km2.

A operação teve sucesso total. As águas límpidas do Paranoá se transformaram em centro de esporte e lazer e até ajudam a melhorar a oferta de água potável de Brasília.

Tundisi foi presidente do CNPQ de 1995 a 1999 e publicou mais de duzentos trabalhos em revistas especializadas de 13 países. Seguiu repassando conhecimentos.

Aparecido foi Ministro de Cultura e embaixador brasileiro em Portugal. Faleceu em 2007. O BID manteve-se atuante como banco de desenvolvimento. A OEA continuou como foro regional que serve para expor as diferencias ideológicas e minorar as consequências dos desentendimentos.

Eu persisto em resgatar dados factuais que ajudem a escrever uma história mais comprometida com o que realmente aconteceu.
** Guillermo Piernes. Jornalista e escritor
(Artigo originalmente publicado no site www.osdivergentes.com.br)
Crédito Foto: Lago Paranoá - Walter Sotomayor  


[ VOLTAR ]
Textos protegidos por Copyright - Guillermo Piernes 2020