Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES

Home
Home

Autor do Site
Autor del Sitio

Crônicas
Crónicas

Contos e Poemas
Cuentos y poemas

Artigos
Artículos

Escritores e Artistas
Escritores y Artistas

Índice
Índice

Links
Links

Contato
Contacto

Correio dos Leitores
Correo de los Lectores

Guillermo Piernes
GUILLERMO PIERNES
Contos e Poemas
Cuentos y Poemas
Perdão filha - Ana Delmy Amaya

24/09/2020




Perdão filha

Por Ana Delmy Amaya *.

Os longos cabelos negros e sedosos de Lolita, em seu andar, atraíam os olhos perscrutadores dos homens, Juan Matías não era exceção.

Do limiar da catedral da cidade, observei e fiquei impressionado.

"Nossa, que mulher! Quem será? Onde você mora?

Decidi segui-la para saber mais sobre ela e, por enquanto, para onde ela está indo.

Caminhei em direção a um ônibus. Não resisti e consegui seguir em frente; sentei ao seu lado. Apresentei-me com muita delicadeza e expressei minha admiração por sua beleza. Ela agradeceu o elogio: "Obrigada, na próxima parada eu desço"

-- Com licença, senhorita, vou deixar meu cartão pessoal e peço que me ligue assim que tiver tempo. Lolita recebeu o cartão e prometeu me responder.

Ao chegar em casa, Lolita leu atentamente o cartão onde estava escrito o nome, Juan
M a t í as Ci. ci. c all  .. não dá para entender ... Itália Roma ...

Ela automática e delicadamente enfiou o cartão no lado esquerdo do sutiã,  (nãooo!) e com um novo impulso guardou-o na gaveta da mesa da cozinha onde guardava as colheres, facas e chaves. 

Na terça de manhã seu primeiro pensamento: O homem com o cartão, sentiu o seu perfume, os olhos cinzentos, as mãos que ele passou sobre os ombros no banco do ônibus. Oh senhor! ... Bem, vou chamá-lo.

-- Oi, eu sou a garota para quem você deu o cartão no ônibus. 

Marcaram o encontro.

A manhã estava quente, pois ela morava perto do mar. Decidiu manter o encontro com o estranho. Seu andar era rápido e ansioso, a cada passo divagava com curiosidade sobre o estrangeiro; pensava num possível trabalho que poderia lhe oferecer, enquanto o vento soprava sua espessa cabeleira.

Ela chegou ao ponto de encontro, ele a esperava ali mesmo num café na Plaza León (n.r. na cidade de El Salvador). Quando ele a viu, levantou-se e colocou as mãos nos seus ombros enquanto ela se sentava. Foi invadida por uma forte corrente toda. Tudo, toda. Lolita sentiu a suavidade de seu gesto, suas mãos e a ternura em seu rosto. 

Ao longo da conversa, ela notou um anel de pedra amarela no dedo anular de sua mão esquerda e um relógio do tipo que nunca tinha visto em sua vida e pensou: Que lindas mãos tem. Juan Matías ofereceu-lhe um café, agradeceu a sua presença e perguntou seu nome hmmm - pensou - nem perguntei o nome dela quando a conheci".

-- Meu nome é Dolores, mas na minha casa me chamam de Lolita.  Diga-me senhor, como posso ajudá-lo? 

-- Olha Dolores, estou impressionado com a tua beleza natural e com a tua doçura, essa tua simplicidade que gosto e com respeito devo dizer-te que és a mulher dos meus sonhos, aquela que sempre pensei que encontraria em algum lugar no mundo, por isso me atrevi a te seguir o para te oferecer meu apoio, meu amor e a felicidade que você merece. Em um mês voltarei à minha terra natal e peço que venha comigo, darei tudo o que possas desejar.

-- Com licença senhor, mas não estou pensando nisso, se decidi vir foi porque pensei que era sobre outra coisa - ele ficou em silêncio - e olhando nos olhos disse:

-- Vamos, vou te fazer feliz

-- Com licença, mas eu não esperava tal coisa, se decidi vir foi porque, como disse antes, pensei que fosse outra coisa, algum trabalho. Ele ficou em silêncio e olhando nos olhos dela disse:

-- Vamos embora, prometo te fazer a mulher mais feliz do mundo, mas se te ofendi, me perdoe. Perdão filha, desculpe.

-- Peça perdão a Deus. Com a sua licença. Ela deixou a xícara de café vazia e sem se despedir, saiu.

Ele a observou se afastar com seu andar característico e seu cabelo se movendo ritmicamente nas costas. Juan Matías, ficou lívido, de cabeça baixa, cerrando os punhos e rangendo os dentes, ruborizado e nervoso. Perdoe-me meu Senhor - disse ele  com a voz quebrada -, porém se sentiu mais encendido, após a rejeição. Nunca tinha conhecido uma mulher tão atraente e doce como ela. 

Passaram-se vinte dias após o incidente. Lolita sabia que faltavam apenas dois dias para o retorno de Juan Matías ao seu país.

Nesse momento tocou a campainha do celular de Juan Matías.
 
-- Haloooo - disse com o coração disparado - Sou Lolita ...

-- Sim diga Lolita

-- Eu decidi aceitar sua proposta!.

-- Muito bem, vou esperar por você no mesmo lugar e na hora de costume para finalizar detalhes sobre sua passagem, datas e outras coisas.

-- Estarei lá, disse Lolita, impressionada

A manhã estava luminosa e o padre italiano também.
* Ana Delmy Amaya - Escritora, poeta e doctora en literatura
Pintura de Lizmaye Perez 



[ VOLTAR ]
Textos protegidos por Copyright - Guillermo Piernes 2020